quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

Cupido




Achei simplesmente genial!
Para todos aqueles que, como eu, ainda esperam ser flechados pelo cupido!
Entendem a extrapolação metafórica deste vídeo? Dêem suas opiniões!


Para quem não conhece a mitologia, eis um resumo sobre a história de EROS (ou cupido), que peguei na Wikipedia e fiz pequenos ajustes:

Eros (Cupido, no panteão romano) era o deus grego do amor. É considerado filho de Caos, portanto um deus primordial. É descrito como sendo muito belo e irresistível. Posteriormente foi considerado como um deus olímpico, filho de Afrodite (Vênus) e de Hermes ou Ares (Marte, Deus da guerra), conforme as versões.

Cupido era geralmente representado como um menino alado que carregava um arco e um carcás com setas. Os ferimentos provocados pelas setas que atirava despertavam amor ou paixão em suas vítimas. Outras vezes representavam-no vestido com uma armadura semelhante à que usava Marte, talvez para assim sugerir paralelos irônicos entre a guerra e o romance ou para simbolizar a invencibilidade do amor.

Tendo, certa vez, Afrodite desabafado com Métis, queixando-se que seu filho continuava sempre criança, a deusa da prudência lhe explicou que era porque Eros era muito solitário. Haveria de crescer se tivesse um irmão. Anteros nasceu pouco depois e, Eros começou a crescer e tornar-se robusto.

Embora fosse algumas vezes apresentado como insensível e descuidado, Cupido era, em geral, tido como benéfico em razão da felicidade que concedia aos casais, mortais ou imortais. No pior dos casos, era considerado malicioso pelas combinações que fazia, situações em que agia orientado por Vênus.

(Lembro do mito a seguir das aulas de Filosofia no segundo grau, ministradas pelo professor Nilton, nos Canarinhos de Petrópolis!)




O MITO DE EROS E PSIQUÊ




Um certo dia, Afrodite (Vênus) estava admirando a terra quando avistou uma bela moça chamada Psiquê. Afrodite era uma deusa muito vaidosa e não gostava de perder em matéria de aparência, muito menos para uma mortal. Mandou então uma carta para Psiquê onde havia uma profecia em que ela iria se casar com a mais horrenda criatura.

Enquanto isso, no Monte Olimpo, Afrodite chamou seu filho Eros: "- Meu caro filho, preciso de um grande favor seu. Quero que você vá a terra e atire uma de suas flechas de amor em Psiquê, e faça com que ela se apaixone pelo homem mais feio do planeta". Quando anoiteceu, Eros foi até a casa de Psiquê, entrou pela janela avistou um rosto perfeito, traços encantadores. Eros chegou bem perto para não ter a chance de errar o alvo, por estar tenso, tal o encantamento com que a admirava. Se preparou para atirar, esticou o seu arco e quando ia soltar a flecha, Psiquê moveu o braço, e Cupido acertou a ele mesmo. A partir daquele instante Cupido ficou perdidamente apaixonado pela jovem (ainda precisava da flechada?). Voltou para casa, mas não conseguiu dormir pensando na bela Psiquê.

No dia seguinte, Cupido foi falar com Zéfiro (o vento oeste) e pediu para que transportasse Psiquê para os ares e a instalasse num palácio magnífico, casa de Eros. Quando a noite caiu, a moça ouviu uma voz misteriosa e doce:

"- Não se assuste, Psiquê, sou o dono desse palácio. Ofereço a ti como presente de nosso casamento, pois quero ser seu esposo. Tudo que está vendo lhe pertence. E tudo que deseja será concebido. Zéfiro estará às suas ordens, ele fará tudo o que você quiser. Eu só lhe faço uma exigência: não tente me ver. Só sob esta condição poderemos viver juntos e sermos felizes".

Toda noite Cupido vinha ver Psiquê, mas em uma forma invisível. A moça estava vivendo muito feliz naquele lindo palácio. Mas passando os dias Psiquê ficava cada vez mais curiosa para saber quem era seu marido, . Certa noite, quando Cupido veio ver Psiquê, eles se encontraram e se amaram. Mas quando Cupido adormeceu, Psiquê escondida e em silêncio pegou uma lamparina e acendeu-a, e quando ela viu o belo jovem de rosto corado e cabelos loiros, ficou encantada. Mas num pequeno descuido ela deixou cair uma gota de óleo no braço do rapaz, que acordou assustado e, ao ver Psiquê, ficou furioso e desapareceu. O encanto todo acabou, o palácio os jardins e tudo que havia em volta desapareceu, como num passe de mágica. Psiquê ficou sozinha num lugar árido, pedregoso e deserto, buscando então a morte.

Desconsolado, Eros voltou para o Olimpo e suplicou a Zeus que lhe devolvesse a esposa amada. O senhor dos deuses respondeu: "- O deus do amor não pode se unir a uma mortal".

Mas Cupido protestou. Será que Zeus que tinha tanto poder não podia tornar Psiquê imortal? O senhor dos deuses sorriu lisonjeado. Além do mais como poderia de deixar de atender a um pedido de Eros, que lhe trazia lembranças tão boas? O deus do amor o tinha ajudado muitas vezes, e talvez algum dia Zeus precisaria da ajuda de Eros de novo. Seria mais prudente atender o seu pedido. Zeus mandou Hermes ir buscar Psiquê e lhe trouxesse para o reino celeste. Então Zeus, o soberano, transformou Psiquê em imortal. Nada mais se opôs aos amores de Cupido e Psiquê, nem mesmo Vênus, que ao ver seu filho tão feliz se moveu de compaixão e abençoou o casal. Seu casamento foi celebrado com muito néctar, na presença de todos os deuses.

É mais ou menos isso!


MUDANDO DE ASSUNTO:
Acabei de ver no jornal que nesta Páscoa os Ovos de chocolate estarão mais caros do que nunca! E a justificativa é porque o preço do açúcar na Índia está muito elevado.
Preço do açúcar na Índia????
Eu estou enganado, ou não éramos um dos maiores produtores de açúcar do mundo? Sério, alguém me explica!


2 comentários:

camila disse...

essa escultura é emocionante ao vivo .....

agora... esse eros...as atitude ultra apaixonadas me lembram alguém... nao sei quem... rs....

Vanessa disse...

ahhahahhhahhah